[Poesia] Ode ao Momento

Créditos na imagemCréditos na imagem

Estou na Terra porque escolhi
Aqui eu sofro, assim evoluí
Estou na Terra para aprender
Através do filtro que se faz sofrer

Estou na Terra para melhorar
Vim crescer e também chorar
Crescer dói e não entendemos
O espírito precisa de menos

Vim para a Terra por opção
Não me lembro das coisas por uma razão
Sofrer por um inimigo passado
Que hoje pode ser meu irmão

Estou aqui também para amar
Repito erros para depois orar
Deus me ouve na fé que exponho
O silêncio de Endo eu me oponho

Queria errar menos, deixar a vida ensinar
Não tenho escolha, não posso parar
Preciso entender como viver aqui
Entregar o corpo ao bem que vivi

Preciso ignorar alguma matéria
Deixar de sofrer pela miséria
Sorrir em refrão de liberdade
Estar na Terra por minha vontade

Pobreza de nota não se repete
Traição de família que não cede
Oração ao Pai, pro pai não ir
Desemprego de vida pra ele fruir

Preciso de emoção com todo amor
De gente honesta que supera a dor
Olhar para frente com esperança
Olhar para a vida como uma criança

Ficar de joelhos ante a vontade divina
Entregar minha carne ao sofrimento
Da raiva de humano em desalento
Que combina minha vida com ira

Apontar para os outros é simples
Consolar o amigo pode ser fácil
Finja ser dócil e grácil
Difícil é admitir o próprio

Estou na Terra porque Deus autorizou
Preciso deixar a inveja, o desprezo e a luxúria
Mas ainda lido com tudo em fúria
E não aprendi o amor que deixou

É preciso muita coragem para descer
Quando lá de cima se pode ver
Tanta gente em paz
Viver pra morrer

Quantas angústia passei
Para chegar até aqui
Quanto sangue derramei
Quando sangue de mim caiu?

Quantos reis cortaram minha cabeça
Quantas cabeças eu cortei
Quanto sofrimento causei
Quantas guerras lutei?

Por que mereci
Estar hoje aqui?
Em paz e bem educado
Tendo fé e o Senhor ao lado

Por que tive tanta sorte nesta vida
Poder descer e sofrer outro problema
Não lavrar em terreno esquecido
Não sofrer dos males de mundo morrido?

Meus pais não morreram na nossa casa antiga
Bombardeados por aviões nazistas
Não precisei me refugiar em Amsterdão
Nem correr da URSS no Afeganistão
Não nesta encarnação

Que sorte tenho eu
De poder descansar em um sofá
Poder ter esperança em trabalhar
Ganhar uma vida, um amor pra lembrar

Ter família, em terra de paz
Ter pais e irmãs sem doença
Que alegria que traz
A chance de fazer diferença

 

Sobre o Autor

Vítor A. Michielin
Vítor A. Michielin
Estudante de Direito que ama cultura japonesa tradicional e a cidade de São Paulo. Gosta de narrar os fatos que vê no dia-a-dia em sua cabeça ao estilo Amélie Poulain. Sempre que viaja de Franca para Santo André tem fé em encontrar sua paixão no vagão E027 da Linha Verde. Desgosta quem acha que bem material é o espelho do sucesso. Acredita no destino, na espiritualidade do ser e que tudo tem um motivo.